terça-feira, 6 de novembro de 2012

Férias na Jamaica – 1º dia

Eu e minha esposa resolvemos ter umas férias um pouco diferentes e depois de MUITA conversa, resolvemos que nosso destino seria um resort all-inclusive na Jamaica, o Hedonism III. O preço é um pouco alto, mas com tudo incluído (refeições, bebidas, passeios, jogos, mergulho, festas, etc.) achamos que valeria a pena, mas na realidade tudo foi muito melhor do que nós dois esperávamos.

Saímos de Vitória-ES no sábado no início da tarde com destino a São Paulo de lá iríamos pegar um outro vôo para Caracas na Venezuela e depois um outro vôo para Montego Bay, cidade próxima ao resort, já na Jamaica. Durante o vôo até Caracas nos perguntávamos se haveriam outros casais brasileiros no mesmo vôo, ou se éramos os únicos loucos a passar uma semana em um resort exclusivo para casais.

O embarque e o vôo transcorreram sem maiores problemas. Apesar de um pouco cansados, estávamos animadíssimos quando desembarcamos em Montego Bay as 08:20 da manhã de domingo.

Por volta das 10:30 chegamos ao paraíso, digo ao hotel, tudo muito lindo !!!! As quadras de tênis e o saguão. O Hotel tem o formato de um U gigante com a abertura do U voltado para uma praia privativa e no meio do hotel ficam as piscinas. Pegamos o quarto mais barato, no terceiro piso (segundo andar) voltado para a piscina. Os mais caros são os do primeiro piso (térreo) voltados para o mar.

PRIMEIRO DIA:
Mesmo cansados, resolvemos iniciar um passeio pelo hotel para esperar o horário do almoço e fazer um reconhecimento da área . Botei uma bermuda, camiseta e sandálias, minha esposa um vestidinho de praia e sandálias. Tenho 38 anos, sou branco, cabelos pretos (ficando brancos), 1,89m e 92 kg, sou um homem grande, mas não sou gordo. Ela tem 32 anos, branca, cabelos castanhos claros longos e ondulados 1,70 m e 61 kg. Uma mulher magra, alta e bem feita de corpo com seios de médios para grandes e um bumbum muito bem feito e arrebitado. UMA DELÍCIA de mulher.

Ao passearmos pelo hotel, notamos logo uma coisa interessante, algumas áreas tinham uma proibição muito séria, o simples porte de qualquer coisa que registrasse imagens (celular, filmadoras, câmeras, etc) era rigorosamente proibido e nessas áreas as pessoas ficavam mais a vontade e com menos roupa. Mesmo nos lugares onde as máquinas eram permitidas o pessoal estava bem a vontade.

Havia um grupo de seis pessoas dois homens e quatro mulheres jogando vôlei na piscina e duas delas estavam de top less, isso na área onde as máquinas fotográficas eram permitidas. Onde havia proibição rígida, as pessoas ficavam totalmente nuas mesmo.

Por volta do meio dia, almoçamos e voltamos pro quarto para dar uma dormidinha básica e recuperar as energias. Por volta das quatro da tarde fomos para a praia, uma delícia de mar águas calmas, mornas e uma infra estrutura de cadeiras, espreguiçadeiras, garçons e bar super organizados.

Ficamos deitados na área onde as máquinas eram permitidas, eu de sunga e minha esposa com um biquíni preto com a parte de baixo em formato de V, quase deixando aparecer o pouco de pelinhos que ela deixa na bucetinha, pois o resto todo é bem depiladinho. Tinha gente de todas as idades e de todos os jeitos, casais mais velhos, bonitos e feios e mais jovens bonitos e feios. Não havia uma uniformidade, era gente para todos os gostos, gordinhas, magrinhas, altinhas, mulheres com peitos enormes e lindos, e mulheres não tão bonitas assim. Essa diversidade nos deixou mais a vontade e em menos de 10 minutos eu já estava com o pau duro de tanta mulher gostosa de top less e fio dental.

Os biquinis eram tamanho SM (Super Micro) os maiores mostravam quase tudo e eu que ao sair do quarto achei que minha lindinha estava sexy demais, depois de 15 minutos já achava seu biquini meio sem graça de tão grande, e olha que ela não tem coragem de ir com ele nas praias de Vitória.

Um pouco depois um casal de Iowa (americanos) um pouco mais velhos do que nós, sentou-se ao nosso lado e começamos a conversar quando o mesmo garçom nos atendeu. Ele estava só de bermuda e ela estava com um micro vestido de rendinhas de mangas compridas e somente com a parte de baixo do biquíni, os bicos dos peitos passavam pelos buraquinhos do vestido, seus nomes eram Georges e Marcy.

Eles já passaram lá uma semana dois anos atrás e iriam embora na terça feira. Nos deram toques muito bons, principalmente sobre a proibição de máquinas nas áreas demarcadas e sobre as festas que aconteciam todas as noites e que cada noite era um tema diferente e que o hotel emprestava roupas adequadas caso não as tivéssemos. A Marcy era uma mulher linda, com 39 anos e muito bem feita de corpo com os seios grandes e rígidos. Era bem branquinha com os olhos azuis e cabelos claros, quase brancos, o Georges era muito parecido com ela mas não tinha cabelo quase nenhum e o pouco que tinha ele raspava.

Conversamos bastante elogiando a beleza das nossas esposas mutuamente e as duas conversavam sobre os programas que o hotel oferecia. Terminamos nos despedindo e combinamos de jantar juntos e em seguida ir para a festa do dia … Discoteca dos anos 70.
As 21:00 fomos para o restaurante, eu de calça comprida, sapatos sociais e uma camisa emprestada do hotel para entrar no clima da festa, minha esposa estava com uma calça leg, um tomara que caia e sandálias de salto alto.

O Georges usava uma camisa parecida com a minha, também emprestada, e a mulher dele um vestidinho dourado de alcinhas e sandálias de salto bem alto. Os seios dela eram tão grandes e duros que o vestido não tocava o corpo em nenhum outro lugar a não ser naqueles bicos durinhos. Todas as mulheres estavam com roupas com algum toque sexy, eram ou decotados demais ou curtos demais ou justos demais ou transparentes demais.

Eu e minha esposa percebemos isso e ela então foi ao banheiro e quando voltou percebi logo que o tomara que caia dela iria cair a qualquer momento, pois ela o havia puxado para baixo até quase aparecer as auréolas dos peitinhos. Quando sentou da mesa o Georges soltou um UAUH e a Marcye disse SO SEXY !!!

Terminamos de jantar e fomos andar pela área da piscina antes da festa. As luzes por baixo da água e o céu sem lua mas bastante estrelado foram o estopim da noite…. Começamos a beijar cada um a sua própria esposa foi quando o Georges apertou o bumbum da Marcy e levantou o seu vestido, ela estava com uma calcinha preta fio dental na frente e atrás, deixando a bucetinha dela toda de fora, abaixei a blusa da minha esposa fazendo pular um peito delicioso e continuei a beijá-la e a apertar seu peito.

Ficamos assim por algum tempo até que o som da música começou e fomos os quatro pro salão de festas.
A decoração estava linda! Tudo ambientado como na época da discoteca da década de 70, as músicas só Donna Summer, Village People, etc… os homens estavam mais comportados, mas as mulheres simplesmente enlouquecidas. Fomos então dançar o 4 juntos e logo chegaram mais dois casais amigos do Georges e da Marcye, que eles haviam conhecido no resort.

As 3 mulheres começaram a dançar mais juntas e começaram a se tocar e a beijarem-se. Minha esposa que não é bi-sexual afastou-se um pouco e ficou mais próxima de mim, já para evitar alguma aproximação. O Georges então nos apresentou rapidamente e quando falou que éramos do Brasil houve uma mudança de expressão no rosto dos homens para um misto de OBA !!!! É HOJE !!!! o primeiro, de nome Robert, me cumprimentou com aperto de mão e foi cumprimentar minha esposa, o cumprimento deu-se com um abraço bem sexy no ritmo da música e um selinho, o segundo que não sei o nome até hoje, fez o mesmo, mas demorou-se um pouco mais no beijo e em seguida a beijou no rosto, e no pescoço e ficou abraçado com ela.

Enquanto isso as outra 3 mulheres já estavam em uma agarração total beijos e mãos levantando as saias umas das outras, uma se esfregando na outra, enfim uma sacanagem de fazer gosto. Minha esposa então virou-se para mim, me abraçou e foi logo abraçada por trás por seu novo amigo, na seqüência o Georges a abraçou também e ficamos assim os 3 passando a mão nela.

Foi quando ela começou a rebolar e esfregar a bundinha gostosa no pau do cara que a estava encoxando e a mão do Georges já estava em seu peito esquerdo. Rapidamente a blusa dela foi abaixada e ela a levantou fazendo um sinal de não, os dois então se contiveram um pouco, o suficiente para darmos uma escapadinha e ficarmos fora da pista de dança olhando o pessoal.

A sacanagem estava rolando solta, mas não vimos ninguém transando de fato. Havia masturbação de todo jeito, homens e mulheres e mulheres com mulheres, não vimos homem com homem, a não ser em brincadeiras quando tocou YMCA, mas fora isso não vimos mais nada.

As mulheres sim, estavam em um estado de excitação fora do normal. Mostravam os seios recebiam chupadas, dedadas na buceta e no cuzinho, faziam trenzinho uma chupando a buceta da outra alguns homens eram chupados por uma, duas ou três ao mesmo tempo enquanto elas se beijavam, enfim, uma sacanagem só. Fora da pista de dança havia poucos casais e muitos homens, pois praticamente todas as mulheres estavam na putaria mesmo.

Depois de uma boa dose de vodca, resolvemos voltar para a pista de dança e para perto dos casais que conhecíamos. As mulheres pegaram na mão da minha esposa e a puxaram para a sacanagem, mas ela fez que não com a cabeça e a deixaram de lado. Os três homens então se aproximaram novamente e ficamos dançando os 5 juntos.

Não demorou muito e a agarração na minha esposa começou novamente. Ela no meio sendo tocada, abraçada e beijada no rosto e nos ombros, então o Robert a abraçou pela frente, segurou firme sua bunda com uma mão em cada lado, deu uma colada nela e começaram a se beijar. O Georges deu uma encoxada por trás, abaixou de vez a sua blusa e começou a apertar os peitos dela e outro cara chegou e enfiou a mão por dentro da calça leg dela e começou a massagear a buceta da minha esposa.

Vi que não tinha espaço pra mim e fui pro meio da mulherada, apertei a bunda da Marcye e ela empinou o bumbum pra mim, levantei a saia dela e fiquei passando a mão a mulher do Robert, a outra veio e começou a passar a mão no meu pau, puxou minha camisa pra cima e ficou chupando meus peitos, a outra então tirou meu pau pra fora e começou uma punheta gostosa que logo se transformou em chupada, nisso eu já estava enfiando o dedo na buceta da Marcye.

Quando olhei pro lado procurando minha esposa, ela estava com a blusa na cintura, punhetando o outro cara que não sei o nome enquanto o Georges e o Robert estavam chupando os peitos dela e com as mãos por dentro da calça, deviam estar com os dedos enfiados na buceta dela ou até mesmo no cuzinho. Ela rebolava e jogava a cabeça pra trás, então a Marcye levantou o vestido e mandou que eu chupasse aqueles peitões quando comecei a chupar as outras duas se abaixaram e começaram a chupar meu pau, gozei na boca das duas, enquanto elas disputavam para ver quem conseguia chupar mais da minha porra.

Minha esposa continuava na putaria, sendo chupada nos peitos e dedada de todo jeito, aí o dj começou a anunciar uma das brincadeiras da noite o Wet Kiss (beijo molhado), traduzindo literalmente. Foi quando nos separamos dos nossos amigos e voltamos a ficar juntos novamente.

- que loucura !!!!! Falou ela.
Eu perguntei
- você gostou?
Ela respondeu
- fiquei meio encabulada, mas aí vi você, me soltei e adorei, mas ainda estou um pouco travadinha, acho que vou morrer se ficar assim por uma semana
- eu também! respondi.

A brincadeira do beijo molhado começou. Eram duas rodas, uma dentro somente de mulheres e uma fora somente de homens todos de mãos dadas e não podiam soltar. As mulheres giravam em um sentido e os homens em outro. Quando a música parava começava a tocar uma buzina e as pessoas da roda de dentro tinham de beijar as da roda de fora, mas sem soltar as mãos, quem soltasse a mão ou não beijasse saia da brincadeira e os que se beijavam, tinham de ficar beijando enquanto a buzina estivesse tocando, então rolava a música novamente, e todos começam a girar, até que ficaram poucas pessoas e cada uma ganhou um chaveirinho do hotel.
Enquanto rolava a brincadeira do beijo, eu e minha esposa ficamos sozinhos, fomos mais para o cantinho e a pegação rolou solta.

Ela estava ensopada e dava pra ver por fora da calça a manchinha mais escura da lubrificação da buceta. Ela disse que queria transar naquela hora, deixamos a festa, voltamos pro quarto e transamos muito gostoso. Como eu já tinha gozado demorei um pouco mais, ela ficou me cavalgando, gozou e pediu pra parar. Fomos dormir e só acordamos as 11:00 da manhã de segunda feira.

via: contoerotico.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...