terça-feira, 20 de novembro de 2012

Como meu patrão tornou-se amante de minha mulher 4


Continua de:

Já era quinta feira eu e Julia não tocamos mais no assunto, sentia um frio na barriga cada vez que me lembrava do fato, mas não mencionava uma só palavra a respeito para minha mulher. Na hora do almoço o telefone tocou, era seu Alfredo dizendo
que viria para tomar um sol na piscina e gostaria que nós o acompanhasse, expliquei para minha mulher o que seu Alfredo queria ela ficou super nervosa, pois lembrou do pedido que ele havia feito a ela quanto ao biquíni, eu tentei tranqüilizá-la dizendo que não havia nada de errado em ela atender o pedido de nosso patrão, ela retrucou dizendo que eu deveria ficar com ciúmes e não a incentivando a colocar o biquíni, eu disse que estava sim com ciúmes, mas que seu Alfredo podia apenas olhar e olhar não tirava pedaços.

Quando seu Alfredo chegou fui recebê-lo no carro ele me cumprimentou e me chamou para ajudá-lo a pegar uma caixa no porta malas, era um computador, perguntei se ele iria trocar o computador de sua casa, ele respondeu que não era pra ele, que aquele era um presente para nós, achei que ele estava brincando, mas quando  dirigiu com a caixa para minha casa nem pude acreditar, quando Julia viu que o computador era para nós ficou felicíssima. 

Depois de instalar o computador seu Alfredo disse que o próximo passo era mandar o técnico colocar internet e que mandaria instalar TV a cabo em nossa casa também, nem acreditamos dava pra ver os olhos de Julia brilhar de tanta felicidade. Seu Alfredo disse que estava muito contente conosco morando ali e queria nos proporcionar o máximo de conforto, dizendo isso foi para a sua casa trocar de roupa, pediu para eu pegar algumas cervejas e deixar no freezer que ficava em uma cobertura próximo a piscina, antes de sair perguntei a Julia se ela iria colocar o biquíni que seu Alfredo havia pedido, ela sorrido veio até mim e disse: “Amor ele é tão bom pra gente né, vamos agradá-lo no que pudermos né!, mas não fica com ciúmes tá...” eu comentei: “Não dá pra ter ciúmes de um homem que é tão bom para nós amor...”, ela falou: “Então vai lá ficar com ele que logo eu apareço tá...”.

Eu e seu Alfredo estávamos tomando cerveja deitados nas cadeiras na beira da piscina quando Julia aparece com óculos escuros e com aquele biquíni minúsculo, não é para me gabar, mas minha esposa tem um corpinho muito lindo, seu Alfredo arregalou os olhos e disse: “ Rui, com todo respeito sua mulher tem um corpo maravilhoso...” respondi a ele: “O senhor tem razão, mas dona Laura ( a esposa dele) também tem um corpo bonito...”, ele disse: “É verdade, mas a Julia parece um anjo...”. Julia aproximou-se de nós e deitou em uma cadeira que estava mais próxima de nosso patrão que estava abrindo o vidro de bronzeador para passar em seu corpo, Julia levantou-se foi até ele pegou o vidro das mãos dele e disse: “Deixa que eu passo bronzeador no senhor...”, a fim de deixar Julia mais a vontade disse que iria no banheiro. Quando entrei em casa ao invés de ir ao banheiro, entrei no quarto que em uma janela que fica de frente para a piscina. Abri um pouquinho a cortina e fiquei observando, depois que ela passou bronzeador nas costas dele ela pediu para ele se virar, novamente nosso patrão estava com o pau duro, mas Julia sentia-se mais a vontade e passava o bronzeador com mais ousadia nele, até que em um dado momento ele segurou a mão dela e conduziu para seu pau sobre a sunga, ela tirou imediatamente e continuou passando o bronzeador.

Eu já estava de pau duro vendo aquela cena, seu Alfredo novamente segurou na mão dela e conduziu pra seu pênis, só que desta vez ele ficou segurando a mão dela sobre seu pau, como ela não fez menção de tirar a mão ele tirou sua mão de cima da de Julia e ela ficou por um instante ficou massageando o pau dele, nosso patrão ficava olhando em direção a nossa casa para ver se eu não os pegaria de surpresa. Minha esposa mais descontraída alisava o pau dele por cima da sunga, então seu Alfredo com a mão esquerda abaixou um pouco a sunga deixando sair para fora aquele cacetão, Julia olhou em direção a por de nossa casa para certificar que eu não estava indo, pegou no pau de seu Alfredo e ficou masturbando lentamente. Confesso que jamais pensei que um dia iria sentir tesão em ver minha esposa batendo uma punheta para outro homem, tirei meu pau para fora e comecei a me masturbar, até que vi Julia aumentar o ritmo da punheta e meu patrão começou a esguichar um monte de porra sobre sua barriga, vendo aquilo eu gozei também, nem deu tempo de me recobrar tive que ir ao banheiro pegar papel higiênico para limpar a minha porra que caiu no chão.

Quando voltei para a piscina seu Alfredo estava dentro da água com Julia, os dois estavam conversando um próximo ao outro, ele pediu para que eu me unisse a eles e assim eu fiz, passamos o resto da tarde bebendo e brincando dentro da piscina, eu agia como que nada tivesse acontecido, mas aquela visão de minha esposa masturbando meu patrão não saía de minha cabeça. Já era quase 18:00 hrs quando seu Alfredo disse que tava na hora dele ir embora, pediu para Julia ajudá-lo a separar algumas coisas que ele havia comprado lá em sua casa que ele iria levar e que o restante ficaria para nós, ele sempre fazia isso, mas nunca tinha chamado minha esposa para ajudá-lo, ela imediatamente o seguiu até sua casa. Passado uns cinco minutos eu fui atrás para conferir o que estava acontecendo, visto que as coisas estavam bastante avançadas. Quando terminei de subir a escada não vi nenhum dos dois na cozinha, mas ouvi um gemido vindo do quarto, meu coração acelerou, já imaginei o pior e não deu outra, quando me aproximei do quarto, pude ver Julia de quatro na beira da cama e seu Alfredo fudendo com aquele cacete que visivelmente era maior que o meu.

Meu patrão apenas afastou o biquíni dela de lado e só havia tirado o pau para fora da sunga demonstrando com isso que estava transando apressadamente. Com as mãos na cintura dela ele bombava com força fazendo minha esposa quase que cair sobre a cama, enquanto Julia gemia ele dizia: “ Menina (era assim que ele a chamava) você nem imagina como eu estava louco pra fuder essa sua bucetinha...”, me surpreendi quando em meio a gemidos e com voz de choro Julia disse: “ Então me fode seu Alfredo, mete na minha buceta vai...”. Ouvindo isso ele urrou agarrou nos cabelos dela e gozou dentro da sua bucetinha, ela também gozou, quando ele terminou de gozar deitou o corpo sobre o dela e ficaram lá parados, eu desci a escada e fui para casa completamente sem noção do que fazer ou pensar, eu estava completamente desorientado.

Quando Julia entrou em nossa casa seu Alfredo já tinha ido, parecia que ela havia visto um fantasma, estava pálida e tremendo, ela pegou em minha mão e me puxou para o quarto, sentou na cama e começou a chorar, perguntei o que era, porque ela estava chorando, mesmo sabendo o que havia acontecido eu perguntei a ela como que não sabia de nada: “O que aconteceu meu amor...?”. Ela disse: “Rui lembra-se que você me pediu para ir resistindo aos assédios de seu Alfredo...?”, respondi que sim, ela então em meio a soluços e choro  continuou dizendo: “Pois é, desta vez não foi possível, eu até que tentei resistir, mas acabei transando com ele...” eu a abracei limpei as lágrimas de seus olhos e disse: “Julia você me ama...?” ela sem saber o porque da pergunta respondeu: “Claro que ti amo meu amor, mas por que esta pergunta...”, eu disse a ela: “O que aconteceu com você e nosso patrão foi apenas sexo, seu Alfredo ando numa pior por isso ele te assediou, mas não tem problema, não vou ficar bravo com você...”, continuei dizendo: “Eu sabia que mais sedo ou mais tarde isso acabaria acontecendo, ele além de ser muito bom para nós é um homem vistoso e bonito...”, eu sabia que você acabaria  cedendo, por isso já me preparei psicologicamente...”.

Dizendo isso eu a deitei na cama, ela ainda com soluços começou a me beijar e dizer: “Amor promete que não vai me deixar por eu ter feito isso...” respondi a ela que jamais faria isso, eu estava com tesão só de falar no assunto então peguei a mão dela e conduzi até meu pau e disse: “Sabe Julia, na verdade estou excitado com que aconteceu...” ela sorrindo me perguntou: “Verdade amor, você ficou com tesão em saber que transei com seu Alfredo...?”, respondi que sim que estava com muito tesão, ela pegou minha mão levou até sua xaninha e disse: “Olha amor, ainda tem porra dele aqui, ele gozou muito dentro de mim...”. Ouvindo ela dizer aquilo e notando que realmente sua bucetinha estava ainda encharcada de porra, tirei minha roupa, subi em cima dela e quando coloquei meu pau em sua xaninha notei que estava laceada e toda lambuzada e assim transamos como nunca havíamos transado antes, depois da transa pedi para ela me contar como aconteceu ela, já bem a vontade e contente por eu estar gostando passou a relatar.


via intimidadesreveladas

2 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...