quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Esposa com o diretor

Minha mulher sempre foi muito bonita. Morena com 1,69m de altura, cintura bem marcada, seios médios porém rijos e bumbum perfeito. Realmente uma combinação de arrasar qualquer um. Eu por outro lado, sou um cara normal, de baixo dote e tímido.
aconteceu que eu e minha mulher fomos a uma festa na escola onde dou aulas. ela estava linda num vestido vermelho, de tecido leve e muita renda a qual quando iluminada deixava entrever seu belo corpo.

Notava que todos na festa, alunos e demais funcionários olhavam para ela, mas isso é coisa normal. Bem, a festa começou as oito e lá pelas dez eu ja estava de porre, dizendo e fazendo besteira. Ela com raiva e vergonha se afastou de mim e se encostou numa porta que dava acesso a uma sala de aula. eu me distrai com um amigo e quando deu por mim ela não estava mais lá... procurei por ela e me disseram que o diretor estava conversando com ela quando a viram pela ultima vez.

Aventuras de Duas Casadas em Porto Seguro






Eu e Eliane somos duas mulheres casadas que trabalhamos em uma agência de turismo e estamos sempre estamos viajando. Eliana é uma morena, 33 anos, 1,70, 55 kg, corpo malhado em academia e cabelos negros nos ombros. Eu Viviane, sou branca, loira, 32 anos, 1,64m, 51 kg, seios médios para grandes e bumbum arrebitado.

Bem, eu sou casada há 6 anos e estou tranquila com o meu casamento já que meu marido é um cara que me satisfaz e inclusive já fizemos até umas brincadeirinhas com outros casais. Já a Eliana está numa crise com o seu marido pois ela desconfia que ele a está traindo.

Nosso grupo de agentes chegou a Porto Seguro e fomos dividos em grupos de quatro pessoas. Cada grupo ficou em uma pousada. Nós fomos para uma pousada em Mucugê e quando chegamos fomos recebidas por Ricardo, um italiano de uns 45 anos, proprietário do local. Deu pra perceber pelo sorriso dele que ele adorou os hóspedes, ou melhor, as hóspedes pois os outros dois eram dois coroas de outras agências de São Paulo.

Fomos para o quarto para desfazer as malas e colocar uma roupinha mais leve, já que estava um calor muito forte.
Eliana pôs um biquíni minúsculo e por cima um micro shorts de lycra que deixava sua bunda de fora. Como eu fiquei meio assustada vendo os seus trajes, Eliana me disse:

- Já que o Álvaro não anda me comendo e ainda me trai, vou dar o troco nele e ele vai ficar mais chifrudo que um alce... e riu.

Eu coloquei um biquíni e uma canga . Bateram na porta e uma moça veio nos avisar que o Sr. Ricardo nos aguardava na piscina para tomarmos um coquetel de boas vindas. Quando chegamos ele nos recebeu com duas enormes caipirinhas e fazendo um brinde as agentes de turismo mais lindas que ele tinha conhecido. Ricardo estava de sunga e mostrava um belo corpão, e duas coisas me chamaram a atenção , ele era muito peludo (coisa que me deixa louca) e tinha um enorme volume dentro de sua sunga. Eu imaginava como seria aquele homem delicioso todo nu só pra mim.

Como estava muito calor ficamos só de biquíni e entramos na água. O pau do Ricardo cresceu na hora que ele nos viu em nossos trajes de praia e tentou disfarçar, mas era difícil esconder um pauzao daquele tamanho.

O calor era forte e isso me deixava com muito tesão. E sonhava com nós duas fodendo aquele pedaço de mau caminho na piscina.

A Eliana sabia que eu gostava de homem bem peludo e cochichava para eu ver o tamanho do pau dele e me falava:

-Vai passar bem hein? Coitado do Guilherme, vai coçar a testa dele... risos





Debaixo da água, Ricardo brincava comigo e eu podia sentir sua pica me encoxando dentro da piscina. Estava adorando aquela rolona toda dura roçando minha bunda e até facilitava o trabalho dele inclinando meu corpo para frente e sorrindo para a minha amiga como se nada estivesse acontecendo.




Depois disso, ficamos ali umas duas horas jogando conversa fora e fomos nos arrumar para a noitada que prometia. Eliana novamente quase saiu nua, e eu fiquei na minha. Chegamos na danceteria, e a Eliana já pegou uma cerveja e saiu dançando. Várias vezes vi a Eliana sendo esfregada pelos caras que passavam perto dela. Uma hora fizeram a coreografia da dança do au-au e um rapaz negro ficou segurando a Eliana pela cintura e fazendo movimentos como se estivesse fodendo ela por trás.

Nessa hora eles se falaram e ele a arrastou para o fundo do salão. Fui atrás e estava ao mesmo tempo, nervosa e curiosa com esta situação. Eles saíram por uma portinha lateral e dei um tempinho e saí também. Eles passaram por um corredor escuro e no final tinha um depósito. Fui até lá e fiquei espiando escondida.






Comecei a observar a minha amiga casada traindo seu marido com o amante negro e fiquei morrendo de inveja com a cena que via.






De onde estava, via a Eliana ajoelhada chupando uma pica negra enorme e grossona, no mínimo uns 20 centímetros.





O cara falava: "Vai sua gostosa... sua putinha safada... vai gozar no pau do seu negão...

E ela respondia:
"Que pica grande.....nossa, você vai me matar...."







O cara levantou ela e tirou a saia e a calcinha dela,







colocou o pau na entrada da buceta dela e falou:


"Vai cachorra... rebola na minha rola..."


E daí o pau do cara foi entrando, entrando até sumir dentro dela. Ela gemia e mandava ele fuder forte. Provavelmente lembrava do marido corninho que estava sendo muito bem chifrado. Aí o negão começou a bombar.



Nessa hora, minha xana estava piscando de tesão. Era tão gostoso ver minha amigona casada trepando daquele jeito....






Quando o cara falou que ia gozar, Eliana se virou e abocanhou aquela tora e o cara urrava de tanto gozar na boquinha dela.





Depois o cara levantou ela de novo mandou ela abrir bem as pernas e arrebitar a bundinha. Ela protestou, disse que não iria aguentar, mas ele mandou ela ficar quietinha e começou a meter aquele pauzão no cuzinho dela, ela dava gritinhos reclamava e fazia cara de dor, embora eu tenha certeza de que ela no fundo estava adorando levar aquela rola no rabo. Eu lembrei que ela havia me dito que nunca fizera sexo anal com o marido, pois achava que doía muito, mas tinha muita curiosidade em experimentar.

O cara foi metendo sem dó, e começou a dar uns tapas na bundona da Eliana que gemia. Chamava o marido dela de filho da puta e que ele não era de nada, era um corno manso. O negão acelerou as penetrações e começou a xingar a Eliana de tudo que é palavrão, tirava a pica e metia de novo, ora no cu, ora na buceta e de novo encheu a boca dela de porra.

Fui para dentro e 5 minutos depois a Eliana chegou e me Disse: "A essa hora, o chifre do Álvaro já deve tá coçando mais que a minha perereca."

Aí eu disse:
-Eu sei. Eu vi tudo! Você é bem putinha hein?

Ela riu e saiu rebolando, provavelmente ainda toda melada de porra.

Logo fomos para a pousada e lá estava Ricardo na sala. Ele nos convidou para um drink e a Eliana foi logo agarrando um de seus braços e me chamando.

Fomos para o apartamento de Ricardo, ele colocou uma música, e foi preparar os drinks.

Ai a Eliana colocou uns CDs de axé music e começamos a dançar pra esperar os drinks.

Ricardo nos elogiava em tudo, que dançávamos muito bem, que eramos lindas , sensuais, atraentes e coisa e tal, aí a Eliana , falou:

-Ricardo, nós, as brasileiras, nascemos para isso, nascemos para sermos as mais gostosas, as melhores amantes, não tem homem que resista ao charme das brasileiras. E é claro, o bumbum das brasileiras e o mais gotoso, e deu uma levantadinha em sua saia. Deu pra eu ver que ela estava sem calcinha, só com meia arrastão.

Ricardo aplaudiu e todos rimos. Aí a safada da Eliana, perguntou pro Ricardo qual de nós duas tinha a bunda mais gostosa? Ricardo disse que as duas tinham e se tivesse que escolher uma, teria que experimentar e rimos. Eliana, me segurou pelos ombros e me virou de bunda para Ricardo e sem me dar chances, levantou meu vestido e falou: Ó Ricardo, essa bunda aqui é a mais cobiçada da cidade.



Fiquei vermelha. Ricardo falou que era a bundinha mais linda que vira na vida.


Eliana, foi até ele e falou algo em seu ouvido. Saiu dizendo que ia encontrar um garotão que havia conhecido no bar da piscina da pousada.

Perguntei a ele o que ela havia lhe falado e ele não respondeu nada. Veio até mim e me deu um beijo que me desmontou. Daí pra frente era só roupa caindo no chão e quando segurei seu pau, me assustei, eram 22x6 centímetros, duro como pedra.

O do meu marido tem apenas 16x4, era tanta diferença que fiquei com medo. Fomos pra cama e ele me fez gozar chupando minha xaninha, depois chupei aquele pedaço de nervo que era enorme e apontava para o teto tal era o tesão dele. Nunca tinha imaginado o quanto era gostoso chupar um pau grande. Mal cabia na minha boca e eu me esforçava para colocar ele até o fundo da minha garganta. Era um desafio e confesso que me deu muito tesão pagar um boquete para um cara dotado com o Ricardo.

Empolgado com a chupeta, ele falou que queria meu cuzinho e apesar do medo não resisti. Fiquei na posição de frango assado, pois meu marido sempre me dizia que o dia que eu desse o meu cuzinho para um cara bem dotado, eu deveria tentar assim. Lembrei do prazer que minha amiga sentira dando o rabo e quis fazer igual. Ricardo, pegou um creme e foi passando no meu cuzinho, enfiou um dedo e fazia vários movimentos, estava delicioso, pois ele se mostrou muito experiente no assunto.

Aí ele enfiou mais um dedo e depois mais um, aí meu cuzinho já estava todo laceado e nessa hora, ele apontou a cabeçorra na entrada dele, e colou sua boca na minha. Aquele beijo de língua me distraiu e quando vi ele tinha metido ate a metade na minha bundinha.


Daí ele me segurou nas tetas e começou a meter. Tirava até a cabeça e carcava tudo. Assim gozei duas vezes e Ricardo encheu meu cú de porra e ainda meteu na minha xaninha me fazendo tremer de prazer.


Depois de ter dado o cù e a boceta para aquele garanhão italiano, fomos para o banho. Aquela pica não amolecia. Lavei ela toda com carinho e depois chupei novamente. Aí ele me levantou, encaixou ela toda ensaboada na minha xana e me soltou. Fui as nuvens. Puta que o pariu! Que foda gostosa! Que macho gostoso!

Enfim, fiquei uma semana trepando com aquele homem maravilhoso, um dia deixei ele comer a Eliana junto. A safada trepava com tudo quanto era garotão que a cantava e com certeza devolveu todos os chifres que o maridinho dela havia colocado. Ricardo, quando vem a São Paulo, sempre me liga e ficamos juntos. Dessas putarias meu marido ainda não sabe, mas tenho certeza que vai adorar o dia que eu contar pois ela adora ser corninho.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Casal estuprado por travestis


Há algum tempo minha esposa e eu tínhamos decidido transar com mais alguém, pois nosso casamento não estava muito bem.
Já havíamos tranzado com uma prostituta, mas minha mulher disse que queria um homem, fiquei contrariado, mas como já tínhamos chegado até este ponto não podia apenas dizer não, então pensei em colocar ela contra a parede, e disse-lhe: __Como já tivemos uma mulher, antes de um homem podemos tentar um meio termo.
__Como assim?
__Uma travesti. Falei esperando um não dela.
Ela tomou um susto com a proposta, pensou por algum tempo e respondeu: __Não sei se eu teria coragem, seria um pouco estranho.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Troca de casal entre pai e filho por egano


Essa troca foi por acaso meu nome e Carlos cansei recentemente com mariana ela tem 19 anos morena tipo índia cabelos lisos cumpridos morena de praia magrinha com marquinha de biquíni eu 20 anos alto moreno magro meu pai e magro alto mesmo corpo que 41 anos o meu sou filho único meu pai comprou uma casa na região serrana do rio somos da capital ele me convidou para inaugura entre família a quase esqueci minha mãe e branca copo tipo mignonzinha ela perfeita tem 39 anos cabelos longos lisos vou contar como tudo aconteceu essa casa tinha dois quartos um do lado do outro como fazia muito frio começamos os quartro a toma um vinho vários vinhos já era 1 da manha estávamos altos

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

A safada em família 2


Continua de:
Esposa se abrindo 2
A safada em família 1 



No dia seguinte, a Tânia acordou toda feliz, me trouxe café na cama, fez uma chupeta deliciosa e metemos gostoso logo cedo, eu examinei os estragos da noite anterior, ela estava toda roxa dos chupões e apertões que os garotos haviam lhe dado mais ela parecia radiante, falava da festa de logo mais, e estava muito animada quando seu celular tocou.
Era sua irmã mais nova, chamando ela na casa dos pais, a Tânia fez cara de preocupada pois não gostou do tom de voz da irmã, ela pois uma roupa e foi ate lá, demorou umas 2 horas e quando chegou tava com os olhos vermelhos, fomos ate o quarto e ela me contou que estava a maior confusão na casa dos pais, sua irmã havia descoberto que seu pai havia arranjado uma amante e que estava querendo se separar, que a festa havia sido cancelada e que ela havia tido uma discussão muito ríspida com seu pai e, que, queria voltar pra casa o mais rápido possível.

Eu tentei acalmar a situação, dizendo que tudo se resolveria, mais ela chorava muito, pois o pai, Sr Bento, sempre foi um herói pra ela, um homem muito serio, trabalhador, religioso e um pai muito dedicado aos filhos ela sempre teve por ele muito respeito e admiração, ela ficou o dia todo no quarto, sem ver ninguém, e fomos embora no outro dia logo cedo.

A safada em família 1


Continua de:
Esposa se abrindo 2

Depois que chegamos em casa, as coisas se acalmaram um pouco, tínhamos muito serviço, então a disposição pra sacanagem diminuiu, mais logo chegou o aniversario de casamento do meu sogro e fomos para a festa a cidade fica a uns 700 km da onde a gente mora, nos fomos na quinta feira e a festa era no sábado, chegando lá, foi aquela alegria todos ficaram felizes com nossa presença nos hospedamos na casa de minha mãe, que também mora lá.
Eu percebi, logo na chegada, uma mudança no comportamento da Tânia estava toda alegre sempre bem vestida de salto alto e roupas justas, seja calças ou vestidos curtos, que ela havia trazido da praia saia, a todo momento, dizendo que iria visitar alguém da família me deixando sem o carro e, as vezes com as crianças, ela estava linda com seu bronzeado discreto.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Esposa se abrindo 2


Continuação de:

Depois de me contar como perdeu o cabaço do cuzinho, a Tânia, parecia mais aliviada e disposta a contar mais e eu aproveitei para continuar nosso papo puxei ela pra nossa cama e perguntei se ela tinha me traído outras vezes ela fez uma carinha de safada e balançou a cabeça dizendo que sim eu pedi pra ela me contar, ela pensou um pouco e disse.
Lembra quando a Carla, minha irmã, estava se separando do Juca, ela ficou muito triste e me pediu pra conversar com ele pra tentar reverter a situação ai, eu liguei pra ele e perguntei se ele podia passar no meu escritório no fim da tarde pra conversarmos, ele perguntou qual era o assunto eu falei que era sobre o casamento deles, ele não mostrou empolgação, mais disse que ia, na hora do almoço, eu te pedi pra pegar as crianças na escola pois tinha um cliente no fim da tarde e ia demorar.

Esposa se abrindo


Continuação de:

Na volta de nossas ferias, da praia, onde encontramos nosso amigo Fábio, eu e Tânia tivemos muito tempo para conversar e tentar entender aonde nosso relacionamento tinha chegado, eu, de minha parte, tinha me surpreendido com as atitudes de minha esposa e, apesar das suas justificativas, não me convencia que aquilo fosse uma coisa de momento e que, por estarmos de ferias, as coisas tinham saído do controle, eu queria que ela me falasse de onde tinha vindo aquela mulher tão safada e oferecida que tinha metido com meu amigo e depois com ele e o Luis, que ela pensava que eu não sabia.
Apesar de interrogar ela eu procurava não entrar em discussão, pois me sentia fragilizado e sem confiança, depois do acontecido, ela agia naturalmente sempre mudando de assunto quando eu lhe fazia uma pergunta mais direta, quando paramos para dormir, pois saímos muito tarde por causa dos “noivos”, eram umas 6 horas achei um hotel legal nos hospedamos e subimos para o quarto.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Mui amigo 2


Continua de:

Ola, essa é a segunda parte, depois da noite anterior, fiquei confuso, não sabia direito se tava com raiva da Tânia ou de mim, pois eu havia, de certo modo, sido responsável pelos acontecimentos, mais também tinha ficado com muito tesão e minha cabeça estava girando.
Mais com eu disse, de manhã, tudo parecia normal o Fábio, como sempre, gentil e atencioso preparou o café e enquanto conversávamos me dizia que ia levar a gente pra conhecermos uma praia maravilhosa que iríamos adorar, nisso a Tânia saiu do quarto toda linda com vestidinho e com biquíni por baixo e salto alto alegre sorridente quando nos viu já foi logo brincando, e hoje quem é meu homem? Preciso saber pra não dar bola fora, e caímos na risada, eu falei que ela podia escolher, afinal as ferias estavam acabando ela riu e disse que pena.

Mui amigo


Tenho uma esposa muito bonita, tem 37 anos e gosta muito de tirar uma de certinha ela é advogada e é toda moralista, pelo menos eu achava, na cama, ela foi ficando cada dia mais safada, quando resolvemos fazer uma viagem sozinhos deixamos as crianças com minha mãe e partimos para o passeio.
Fomos para o litoral e lá encontramos um antigo amigo que estava morando por lá a alguns anos o nome dele é Fábio, moreno, mais ou menos 38 anos um cara legal meio folgado e mulherengo mais que gostava muito da gente e ficou muito feliz de nos ver e convidou a gente pra tomar um chopp mais tarde num barzinho legal na orla, combinamos de nos encontrar as 18 horas.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Menina ou Mulher


Surpreendente como as meninas podem transformar aquele jeitinho de criança em feições de mulher tão rapidamente.
Sempre minha filha sempre brincava com a SOBRINHA de minha esposa em minha casa, me lembro bem elas brincando, as duas com 5 anos.
Depois de minha separação, minha filha já com 10 anos, optou por morar comigo, ela sempre recebia a prima em nossa casa, elas passavam o tempo todo brincando e brigando.

As vezes a prima de minha filha dormia em nossa casa, duas crianças brigonas aos 10 anos e depois aos 11 anos.
Agora minha filha tem 14,5 anos, aos poucos elas acabaram se distanciando um pouco, mas ouvi rumores que a PRIMA estava namorando um rapaz de 16 anos e que não estava fácil e que sempre tinha um menino a sua procura na porta da casa dela, tratei de não incentivar a aproximação ainda mais, pra preservar minha filha.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Nosso convidado e a promoção de meu marido (parte 2)


Continuação de:

Pediu para que eu me ajoelhasse e mordesse seu pau por cima da bermuda, prontamente fiz o que havia sido mandado. Senti aquele pau crescer mais ainda. Depois disso ordenou para que eu abrisse o zíper e tirasse o pau dele para fora da bermuda. Abri a boca com cara de espanto pelo que estava vendo... Não era um pau grande, era médio dotado, mas era grosso quase tão grosso quanto meu próprio punho. Ao perceber a situação, ele levantou meu queixo e perguntou: "Gostou minha putinha? Vou enfiar ele todinha em você... Ele é todo teu... aproveite bastante.
Me mandou chupar. Seu pau não permitia que eu fechasse a boca. Me senti entalada, aquele cacete quente mal cabia na boca e estava a me sufocar. Percebi que ele estava gostando do jeito que eu estava chupando e lambendo sua tora. Como diz o ditado: “Já que perdido está, aproveite da melhor forma possível” e passei a me deliciar com aquela situação. Obediente, subia e descia a língua naquela jeba.

Nosso convidado e a promoção de meu marido (parte 1)


Meu marido tinha sido meu primeiro e único homem na minha vida. Comecei a namorar com 17 anos, perdi a virgindade com 19 e me casei com 23. Nunca tivemos problemas em relação a sexo. Fazíamos de tudo, mas após os primeiros anos de casamento nossa vida sexual tinha caído na rotina. As vezes, para quebrar a rotina, viajávamos e dávamos vazão a pequenas fantasias, mas tudo de uma forma muito tímida, apesar de prazeirosa. Geralmente, quando estávamos com outros amigos, sempre falávamos em sexo, mas tudo o que acontecia servia como aquecimento para as trepadas de cada casal.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Acho que comeram minha esposa

Então pessoal, meu nome é Fernando e minha esposa se chama Patrícia. Temos 38/ 37 anos respectivamente, 2 filhos e uma vida ótima. Sou funcionário publico e Patrícia é professora. Nunca escrevi conto nenhum nem relatei o acontecido pra ninguém. É um segredo meu que vou contar e espero poder colocá-los no clima de tudo que passei. Tudo isso aconteceu no decorrer de 2007. Somos casados há 18 anos e desde que fiz 30 anos, passei em meu intimo a alimentar o desejo secreto de ver minha mulher transando com outro. Na verdade é mais um fetiche do que um desejo porque não queria e nem quero que isso aconteça.

O fato é que ultimamente eu andava provocando minha mulher. Na hora da transa eu pedia pra ele imaginar que estava dando pra outro cara, pra um negão e etc. Tinha dias que ela aceitava bem a brincadeira e tinha dias que não, as

Deixei comerem minha namorada fui Preso, Humilhado e Currado – parte 1

olá, o que vou relatar aconteceu em 2007 quando eu ainda tinha meus 23 anos. sou um garoto que sempre adorou mulheres, mas que também fiz muito troca-troca quando criança. tinha um amigo chamado moby que desde nossos 12 anos eu era a garotinha dele. passei nesta idade a ter muito tesão em roupas íntimas femininas e comecei a me vestir para ele. ele adorava. roubei muitas calçinhas e comprava também. tinha uma grande coleção. hoje tenho 1,80 sou muito claro, de origem alemã, peso 80 kilos e puxei a minha mãe, não tenho praticamente cabelo nenhum no corpo e minha bunda é grande e bonita. alguns homens até me cantam na rua de tão feminina é minha bunda.

Minha esposa ¨facil¨

Oi.
Tenho 40 anos e minha mulher 32. (veridico)
15 anos atras separei-me da minha mulher. Tinha como objetivo, nao namorar mais ninguem, por algum tempo. Queria somente envolver-me com mulheres casadas e putinhas. Nao queria nada serio. De fato, trepei com algumas safadinhas. Um dia estou no onibus, conheço uma menina de 18 aninhos. Morava proxima a minha residencia. Nos falamos por telefone e marcamos uma boite. Fomos a boite, conversamos muito, nos beijamos, e a deixei em sua casa. Fiquei empolgado por ser novinha, inteligente e de familia.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Chantageada, abusada e currada por meninos - parte 3 final

Continua de:
Chantageada, abusada e currada por meninos - parte 1
Chantageada, abusada e currada por meninos - parte 2


Não pude mais segurar o gozo. Gozei alto, dando escândalo, apertando o menino que me comia a buceta enquanto empinava a bunda para o Carlos que me enrabava ate gozar me enchendo o cu de semem. Meu filho na porta do quarto não dava uma palavra. O outro garoto que operava a câmera focou bem o rosto dele. Meu filhinho lindo... meu deus! Me livrei dos garotos e fui em direção ao meu filho. Porra escorria do meu cu, da minha buceta, descia pelas minhas costas, pingava do meu cabelo... eu era a própria vagabunda, vaca, ordinária. Me sentia a ultima das mulheres.

Chantageada, abusada e currada por meninos - parte 2

Continua de:
Chantageada, abusada e currada por meninos - parte 1

Nos dias seguintes o Carlos não me procurou e nem me ligou. Já estava ficando com saudades. De noite eu lembrava das nossas fodas e aquilo fazia minha buceta pegar fogo. Morria de pena do meu filho, o coitadinho não podia descobrir nada daquilo, mas eu tinha que ir trepar de novo! Foi então que no horário do colégio, quando o meu filho não estava em casa, que o Carlos tocou a campainha. O moleque estava ali com outros dois meninos que deviam ter uns 15 anos e um outro que devia ter no máximo uns 12 anos de idade.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Chantageada, abusada e currada por meninos - parte 1

Vou relatar aqui um fato que ocorreu no ano de 2000 e que ao mesmo tempo, que me incomoda e oprime até hoje, me excita e me embala nas masturbações sempre que penso: como um rapaz de 16 anos, que ainda por cima batia no meu filho, me chantageou e me tornou na puta particular dele!

Todo meu problema começou em 1986, quando tinha 20 anos de idade, desempregada e completamente sem grana. Tinha um filho de um ano, sem pai que assumisse a responsabilidade e precisava de grana rápido. Até hoje tenho um corpo que eu sei é que de dar inveja. Sou mulata, 1,64m, 52kgs, 70 cm de busto, 92 cm de quadril e coxas grossas. Sempre fui perseguida pelos homens, mas eram todos canalhas e só queriam me comer.


Atestado de corno

Bem pessoal, sou o Edu marido da Luanna, conheci minha esposa ainda muito Jovem, através de sua mãe Lucia que trabalhava comigo na época, eu tinha 27 anos e Luanna estava com 17, minha sogra Lucia na época tinha 32 e já havia se separado de seu marido, diziam na empresa que ela tinha vários amantes, inclusive um supervisor de nossa empresa e quando o marido soube lhe deu logo um pé na bunda! Apesar disso Lucia era muito amiga e ótima companheira de trabalho, e pela proximidade de nossas funções acabamos cultivando uma amizade muito bacana, passei a freqüentar sua casa, e assim conheci minha esposa com 17 anos, Lucia deu a maior força para o namoro e marcamos o casamento um ano depois.


quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Uma prostituta em minha vida - Final (vivendo junto)

Continuação de:

Noivamos e fomos morar juntos, na minha casa, ela conseguiu transferir a faculdade dela para o período da tarde e começou a trabalhar em uma boate, onde faz strip e programas, pois ganha bem mais que nas ruas onde ela ficava. Eu ainda trabalho a noite geralmente chego e ela já esta em casa dormindo linda e cheirosa, mas as vezes eu a encontro se preparando para o banho com cheiro de cigarro e bebida e a maquiagem meio bagunçada, quando a vejo deste jeito não resisto transo com ela assim mesmo.

Uma prostituta em minha vida - parte 2 (apaixonado)

Continuação de:

Uns 9 meses depois de começar sair com (Raquel) que na verdade se chama Maiara, me separei da minha esposa, o desgaste já tinha acabado com tudo estávamos junto por mera formalidade, a separação foi rápida, pois éramos casados em separação total de bens. Passei 2 semanas sem encontrar com Maiara, quando liguei pra ela (sim, eu tinha o número do cel dela), conversamos o seguinte:
__Alô
__Oi, Mai
__Oi, achei que tinha me esquecido, tava com saudade. (com voz dengosa)
__Quero passar a tarde contigo, pago o que você quiser.
__Olha que pra ter a disposição a tarde toda é mais caro... (mais dengosa ainda)
__Eu pago.


Uma prostituta em minha vida - Parte 1 (conhecendo)

Ola, a história que vou contar não é exatamente um conto é verídica, apenas os nomes foram trocados para manter o anonimato, embora quem me conhece sabe boa parte do ocorrido. Antes de qualquer coisa peço desculpas, pois não sou muito bom escritor, mas gostaria de dividir o ocorrido. Bom vamos aos fatos.

Me casei com 22 anos com uma menina de também 22 anos morena, magra, mas com um corpo bonito. O que vou contar aqui aconteceu quando já estávamos com 3 anos de casados, embora fossemos jovens ainda nossa vida sexual estava pouco atrativa, eu trabalho a noite, ela trabalhava pela manha das 8h as 15h. Ela já não cuidava-se como antes, não me seduzia mais. Eu por outro lado não a procurava tanto como antes e fazíamos sexo cada vez menos e quando fazíamos era uma papai-e-mamãe só pra cumprir as obrigações. 


quarta-feira, 27 de julho de 2011

Dividindo a namoradinha

Meu nome é Fernando e eu tenho 20 anos, namoro uma moreninha linda chamada Caroline faz 3 anos. Carol tem 19 anos e sempre foi uma putinha. Perdeu o cabacinho muito cedo, e o primeiro namorado, bem mais velho, já fazia de tudo com ela. Tivera outros namorados e quando a conheci, aos 16 anos, nem desconfiava que outros 15 caras já haviam passado a vara naquela bocetinha linda que ela tem.

domingo, 17 de julho de 2011

minha esposa ¨facil¨

Oi.
Tenho 40 anos e minha mulher 32. (veridico)
15 anos atras separei-me da minha mulher. Tinha como objetivo, nao namorar mais ninguem, por algum tempo. Queria somente envolver-me com mulheres casadas e putinhas. Nao queria nada serio. De fato, trepei com algumas safadinhas. Um dia estou no onibus, conheço uma menina de 18 aninhos. Morava proxima a minha residencia. Nos falamos por telefone e marcamos uma boite. Fomos a boite, conversamos muito, nos beijamos, e a deixei em sua casa. Fiquei empolgado por ser novinha, inteligente e de familia. Mudei de ideia apos conhece-la e resolvi namora-la. Dois dias depois apos nossa primeira saida, telefonou-me e a convidei para a minha casa. Preparei meu quarto com luz de velas, mas nao sabia que ia come-la. Menina de familia! Pois bem. 

Minha esposa na despedida de solteiro

Minha esposa é morena clara e sempre chamou atenção dos homens por onde passa, o que é motivo de orgulho para mim, pois adoro ver quando ela é desjada e paquerada. Ela sempre gostou de usar roupas de lycra bermudas ou macacão shorts e sempre muito bem colados ao corpo que deixa marcado na bucetinha ela usa esses shorts e fica com a bucetinha dividida marcando muito e os homens que passam por ela ficam tarados olhando. então eu fiz muitas fotos dela assim, e deixei em meu computador pessoal algumas dessas fotos o que acontece é que um rapaz que trabalha na nossa loja viu as fotos e pediu se eu passava algumas fotos para ele eu, fiquei muito orgulhoso e prontamente passei uma foto em que esta mais marcada a bermuda na bucetinha dela.


sexta-feira, 15 de julho de 2011

Clélia Finalmente Deu Para Um Cara Mais Jovem

Meu nome é João Pedro e estou casado com Clélia há mais de dez anos. Temos dois filhos e uma rotina de casal normal. Trabalhamos muito para pagarmos as contas e nosso casamento começou a cair na famosa rotina. Eu sentia Clélia cada vez mais se distanciando de mim.

A Clélia estava com seus quarenta e poucos anos e o seu tesão só aumentava a cada dia que passava. Comigo, devido as contínuas gozadas rápidas, cada vez mais tinha a fantasia de ver ela transando com outro, assim ela poderia ter mais prazer e eu ficaria só admirando aquela potranca quarentona. Eu sempre amei Clélia e tinha muito tesão em suas pernas torneadas, seu sorriso sexy e sabia que aquela mãe de família recatada ainda tinha um fogo imenso no meio das pernas. E que pernas! Aquelas pernas são deliciosas e ornadas por uma bela pentelheira negra, que embora densa, sempre estava aparada tonando-a mais misteriosa ainda. Ela adora usar salto alto e sempre que queria me provocar, me chamava para jantar e cochichava no meu ouvido que estava sem calcinha. Esse era o nosso código secreto.

Uma vez preguei uma surpresa nela e levei-a para uma balada num bar que tinha uns caras mais jovens. No início ela ficou

O noivo que virou noivinha - parte 2


Continuação de O noivo que virou noivinha - parte 1


Após meu casamento com Roberta minhas transas com meu padrinho continuaram. Algumas vezes íamos passar o final de semana na casa dele, e achávamos um jeito de ficarmos a sós, outras ele vinha para minha casa e também escapávamos.

Nesses momentos sempre dávamos um jeito de irmos a um lugar discreto para que eu me transformasse em Roberta.

O noivo que virou noivinha - parte 1

Desde muito cedo adoro me vestir de mulher, ora usando as roupas de minha mãe ou irmã ou comprando as minhas. Durante minha adolescência sempre que ficava sozinho selecionava roupinhas e ia para o banheiro me montar. Acabei ficando vaidosa e cuidava do meu corpo para que o mesmo ficasse o mais próximo possível de uma mulher, raspando as pernas (como praticava natação tinha uma ótima desculpa).

Com o passar do tempo, como seria natural, acabei me interessando por meninos e me envolvendo com eles. Tinha um namoradinho no curso de inglês, que foi o primeiro, e às vezes ficava com o treinador da escola de natação - um moreno sarado que sabia como me excitar.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

A mulher infiel - final

Continuação de:

E o marido mandou o “link” do site onde anunciava sua esposa a Carlos Ramiro, seu pior concorrente, inimigo declarado, a quem nutria ódio profundo. Carlos não pode deixar de ver o site, e quase não acreditou quando viu a foto. A mulher daquele filho da puta se oferecia como prostituta, não podia perder essa.
- Tem um cara que ta pagando muito caro pra te ver, reservou a tarde toda, trata ele bem
- Qm é o cara?
- Ñ faço idéia, mas trata ele bem pq ele tem grana
Layse reconheceu Carlos Ramiro, e identificando-o como adversário do marido, viu nele uma possibilidade de salvação. Tratou-o bem, disse que fazia programas para fugir da rotina do casamento, que gostava de homem de verdade que a dominasse, e que estava feliz em fuder com o homem que o marido mais temia e respeitava.

A mulher infiel - parte 2

Continuação de:


Dito isto, foi-se embora, e eu liguei para o detetive repassando as instruções do nosso cliente. Não presenciei tudo o que vou passar a narrar agora, mas reproduzo, com a maior riqueza de detalhes, o que me foi contado por Luis Olavo, o que assisti nos vídeos e o que li nas transcrições das conversas.


Conta ele que, após a viagem, estava tomando café da manhã com sua infiel esposa, quando a empregada trouxe a correspondência. Entre os envelopes remetidos a ela, destacou-se um, grande, de papel encorpado, vermelho vivo. Evidente que foi este o primeiro que ela pegou, e ao abri-lo, não pode conter sua expressão de espanto. Indagada pelo marido sobre o conteúdo da carta, ela disfarçou, dizendo que era propaganda de uma loja de uma amiga etc. etc.

terça-feira, 5 de julho de 2011

A mulher infiel - parte 1

Relatarei o ocorrido sob o pseudônimo: Walfredo Wladislau (WW).


Meu escritório atende preferencialmente empresas, questões societárias, questões tributárias; no entanto, a intimidade que estabeleço com meus clientes, e a confiança que eles acabam por depositar em mim, fazem com que compartilhem comigo suas intimidades mais secretas, na busca de consolo pessoal e de apoio jurídico. Algumas dessas histórias, que coleciono com carinho, distribuo aos leitores, para que aprendam, e ensinem, o quanto as vidas são passionais.
Quando o dono de uma grande empresa – Luis Olavo – contou que achava que a esposa o estava traindo, logo comecei a murmurar os versos da música do Secos&Molhados que me veio a mente:
- Oh, mulher infiel, traiçoeiramente ativa ...

Luis Olavo acompanhou a música atento, ainda que preferindo a interpretação de Ney à minha. No final, pensativo, olhou sério e perguntou:
- O que significa “eficiente nas horas vivas e nas horas vagas-pagas”?
- Não faço a menor idéia do que o João Ricardo quis dizer com isso – respondi - nunca entendi o sentido desses versos, mas a melodia é tão forte que a letra se firmou como verdade.
O rosto do meu cliente se iluminou, como se lhe tivesse vindo uma idéia, mas continuou me ouvindo atentamente:

domingo, 26 de junho de 2011

Feitiço virou contra o feiticeiro

A maioria dos homens não pode ver um rabo de saia, mas eu confesso que sempre procurei me segurar ao máximo, principalmente porque minha mulher, uma linda loira de olhos azuis, me dizia que no dia em que descobrisse que eu a chifrei, iria se vingar. Mas eu estava certo de que tudo era só conversa. Minha mulherzinha jamais faria isso comigo.

Devido ao emprego, tivemos que nos mudar para outro Estado, e acabamos indo parar no Amazonas, onde, como é de conhecimento público, as mulheres são mais desinibidas. Com o passar das semanas, notei que uma vizinha da frente, a qual devia ter seus quinze anos, costumava andar pela varanda de casa só de sutien. Ela fazia isso quando chegava da escola, provavelmente passava no quarto, tirava a blusa, e ia pra varanda pegar a toalha. Nesse trajeto, sempre brincava com o cachorro, o que me dava tempo de apreciar a vista.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Tanto insistiu, que dei pra outro!!!

Conheci meu marido, um coroa sarado, bem falante, quando estudava na universidade federal de minha cidade, que fica no litoral do Paraná.
Desde os primeiros dias de nosso namoro, nas nossas transas, ele demonstranva uma forte tendência para ser corno. Um corno manso, mansinho, em paz com a vida.
Meus ancestrais são ucranianos. Nossa religião, nossa cultura não permite algumas práticas neste campo, entretanto, meu marido insitia volta e meia no assunto de saber ou me ver sendo comida por outro homem.

Meu marido apostou no jogo e perdeu

Oi bom dia são 7:17 do dia 21/março de 2011 e acabei de chegar da casa do Robson e Suelen, fui pra lá no sexta depois do jogo de cartas e me trouxeram agora, corria para o meu note para narrar a melhor festa que já fiz.


Então todas as sextas eu meu marido, Robson, Suelen todas as sextas temos jogo de cartas e sempre tem um aposta e nessa sexta a aposta era as mulheres o casal que perdesse no jogo o homem ficaria sem a esposa o final de semana todo, sendo que a perdedora iria pra casa do casal vencedor apenas com um vestido sendo que esse só seria devolvido na segunda de manhã, não importa a situação ela não colocaria roupa de jeito nenhum.

sábado, 18 de junho de 2011

Amarrado, Dominado e Humilhado pela esposa

Certo dia de manhã o marido comentára com a mulher sobre o sonho que teve naquela noite que havia passado.
Logo de manhã, no café ele comentou com a esposa sobre o sonho que lhe parecia tão absurdo e irreal, mas que no fundo ele tinha vontade de viver e nunca tivera coragem.

O marido então começou a narrar o sonho que havia tido com muita ênfase e entusiasmo, a mulher por sua vez, o escutava atentamente e começara a imaginar o que o marido falava:
- Amor não sei se teria coragem de fazer isso na vida real, pois é algo absurdo.
-Você sabe da minha tara por "Sadomasoquismo" e "Dominação" mais isso é muito além ,trata de testar limites , de ver até onde o outro pode aguentar.
-No sonho eu queria ver você transando com outra pessoa, alguém que eu não conhecesse, pois não poderia suportar ver minha mulher transando com outro cara, então você me surpreendeu;

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Esposa PUTA dando para o primo, amigo e estranhos

Olá amigos, o que vou contar é totalmente real e ocorreu no final de semana da Páscoa, me chamo Alberto, tenho 43 anos e minha esposa chama-se Lúcia, 32 anos, 1,65m, 52 kg, cabelos louros médios, olhos mel, gostosa e sexy, nos últimos anos nosso casamento se tornou um relacionamento aberto, mas ela ainda é bem tímida com estranhos e pessoas fora de nosso meio de relacionamento.

Meus sogros residem numa propriedade em Pedro de Toledo, litoral sul de SP, recentemente minha sogra teve um derrame e minha esposa foi para lá na semana passada ficar uns dias com ela e ajudar na administração do sitio deles que produz e comercializa bananas, normal naquela região, na quinta feira do feriado fui para a lá e fiquei até segunda de manhã quando voltei para SP.

Cheguei um pouco cansado e meus sogros já estavam dormindo, comi alguma coisa e fui para cama, apesar de exausto do dia e da viagem ainda dei um trato na minha esposa que estava me esperando peladinha na cama, ela fez questão que eu chupasse sua buceta dela que estava mais inchada e larga que de costume, perguntei o que tinha acontecido na minha ausência e a safada me falou com a maior cara de puta que tinha trepado há poucas horas atrás com o primo dela, que tem 22 anos e sempre deu em cima dela, pois ela queria que eu encontra-se sua buceta assim mesmo inchada e laceada pelo pau dele e só não estava melada, pois ele havia gozado em sua boca, isto me deu um tesão danado, parei de chupá-la e perguntei para quem mais ela havia dado, ela riu e não respondeu, dai eu meti minha rola na buceta dela com muito tesão e logo enchi a safada com minha porra.

Festa dos Calouros - Namoro

Continuação de:

Oi, meu nome é Caroline e voltei para continuar minha história e a da Duda, como prometi no conto anterior. (começou no trote da facul).
Pois bem, havia tido minha primeira experiência lésbica, e para minha surpresa, havia sido a melhor coisa que eu podia ter feito na vidaa rss.

No nosso curso da facul o boato foi se espalhando aos poucos, a Duda que já era cantada por vários começou a ser cantada por todos, o que foi me deixando incrivelmente irritada e enciumada, o que também era novidade na minha vida até então. Cada hora que passávamos juntas, mais eu tinha certeza de que estava completamente apaixonada por aquela mulher, o que não era nada bom, visto que ela tinha fama de ser “pegadora”, p/ não dizer galinha, o que me deixava com os dois pés atrás sempre.

Até que eu e minha amiga (que não estuda na mesma facul que eu e a duda) tivemos a brilhante idéia de testar a Eduarda e para minha felicidade minha amiga topou ser a isca e dar mole para ela, assim eu tiraria todas as minhas dúvidas e veria se aquela delícia merecia o que eu estava sentindo.
Estava tudo devidamente preparado e armado, confesso que senti medo de perdê-la, mas era um mal necessário rs.

Começou no Trote de facul

Oi oi, meu nome é Caroline e tenho 22 anos, sou branquinha tenho cabelos bem longos e lisinhos de cor castanho, os olhos são cor mel, tenho 1.68 de alt. e 57 kg, modéstia parte sou uma mulher muito bonita.

A história que vou revelar aconteceu no início deste ano, quando eu iniciei minha facul, jamais imaginei que minha vida iria mudar tão radicalmente em um simples trote para os calouros. Foi quando conheci minha veterana Eduarda, eu já tinha ouvido falar dela, era uma das meninas que mais fazia sucesso na facul devido a sua beleza e simpatia, mas diziam para tomar cuidado porque ela era Lésbica. Eu não dei muita importância, nunca que uma mulher me chamaria atenção.

Foi quando os veteranos invadiram minha sala de aula que meus olhos bateram na Eduarda, eu tinha certeza que ela era quem todos comentavam; de fato sua beleza era inigualável. Eduarda tem 23 anos aprox. 1,72 e pesa uns 62 kg, cabelos longos lisos de cor castanho claro, puxando para um dourado, franjinha toda irreverente jogadinha na frente daqueles olhos verdes que pareciam cor de uva, lábios deliciosamente tentadores e carnudinhos, e aquelas covinhas irresistíveis nas bochechas e no cantinho dos lábios. (lembra a atriz do filme Elektra). Nem preciso dizer que vidrei nela né? rss..., logo eu que era tão hetero!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...